Publicidade
Você está aqui: Inicial Colunistas Anisio Rios Beija- flor

Beija- flor

PDFImprimirE-mail

Colunistas - Anisio Rios

alt

Ainda vagando por entre as terríveis seqüelas da relação partida e o doce torpor que me embala no fascínio por aquela que me incendeia, às vezes sou tomado

 

pela melancolia. A chuva incessante amplia ainda mais a sensação de que perco meu tempo sentado aqui, ruminando idéias. A imagem dela não sai da minha mente. Queria estar perto dela, simplesmente para inalar seu vislumbre. Novamente digo a ela em pensamento:

_Ah, meu anjo lindo... a esotérica comparação que faço não é nem um pouco exagerada. Você realmente é um anjo; um anjo cheio de beleza, esbaldando graça por onde passa. Sua mágica fica por trás deste visual maravilhoso que você ostenta. Sua presença é deliciosamente envolvente e inocentemente sedutora. Adoro isso! Faz-me submergir em transe na profundidade do seu olhar. Às vezes eu me imagino aos pés da sacada da sua casa, jogando pedrinhas na janela do seu quarto para que você surja em meio às sombras da noite para me encontrar. Vem, minha princesa linda; vamos passear e brincar sob esta lua absurda que nos ilumina. Vamos nos deliciar por estarmos juntos nesse momento único. Colherei flores para você, pois elas existem apenas para encantá-la. A suavidade delas se misturará à sua, pois vocês são iguais; criações místicas dos meus sonhos. No êxtase da magia desta noite tocarei seus lábios com os meus e te farei dependente do meu sabor. Seremos amigos e namorados sempre, elevando este sentimento até as estrelas. Expressaremos estas emoções um para o outro para que o silêncio não nos corroa pelo resto das nossas vidas.

             Pensar em falar isso para ela me agrada muito. Saio um pouco e me sento sob frondosa árvore. A praça está linda e as flores exultam suas cores. Enquanto penso, repentinamente algo muda. Desvio meu olhar para o lado e a vejo. Ela sorri para mim e fico estático. Sorrio meio sem jeito de volta e não consigo mais parar de olhar para ela. Calmamente ela aprecia cada flor daquele jardim. É um beija-flor, saracoteando aqui e acolá, batendo as asinhas coloridas. Penso em dizer alguma coisa, mas tenho medo de assustá-la e ela voar para longe. Ela é tão linda que chega a me machucar sem querer. Contenho penosamente meu desejo de falar com ela. Não quero arriscar. Fitá-la já é um prazer indizível. Alguns minutos depois ela se aproxima. Levanto-me de imediato e ela me abraça. Demoro a solta-la. Ela não reage. Olho em seus olhos e as palavras engasgadas que me envenenavam fluem como brisa. Digo tudo o que sempre quis dizer. Eu poderia morrer ali, sem me importar. Ela sorri e acaricia meu rosto. Digo-lhe como me sinto tão só em um mundo sem nenhuma poesia.

 ___Peço perdão por te envolver por meus devaneios. Meus olhos não sabem mentir. Eles são minhas vitrines e você, ah, você passa por eles como um raio de luz. Abraçarei você quando estiver triste e te embalarei nos acordes da minha guitarra, só para ver seus lábios despertarem um sorriso preguiçoso. O tempo me tornou um romântico corajoso; um herói imaginativo, amante das serenatas, galanteios, flores roubadas e de versos que exprimam toda a emoção quando penso em você. Quero abraçar você à beira d’água, admirar o pôr do sol e o singelo baile das estrelas no céu e discutir cabalisticamente sobre o lado transcendental da vida. Estes sentimentos não ficarão aprisionados dentro de mim, corroendo o meu ser por não tê-los libertado. Estarão livres, vivos, apenas seus. Sorrirei sempre para você, embora muitas vezes por dentro eu queira gritar, mas estas palavras que digo serão sempre música para mim. Com certeza elas acalentarão minha dor se você não me quiser e finalmente trarão você quando eu cerrar meus olhos e adormecer...

                Embalada pela virtude do momento, meu Beija-Flor esboça uma lágrima emocionada. Treme e beija meu rosto demoradamente. Com certa dificuldade, diz que precisa ir, embora queira ficar. Olha mais duas vezes para trás e sorri. Ela me queria e eu não sabia. Agora vai; voa graciosa com meu coração junto ao seu e sela meu destino com doçura, me libertando da dor.

Anísio Cláudio Rios Fonseca

Coordenador do acervo mineralógico do UNIFOR-MG

Especialista em Solos e Meio-Ambiente

e-mail: anisiogeo@yahoo.com.br

Publicidade
Banner
Publicidade

Galeria

dsc_0683
dsc_0680
dsc_0677
dsc_0671
dsc_0670
dsc_0667