Publicidade
Você está aqui: Inicial

Vídeos

0:04:17
Exibições: 10439
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:19
Exibições: 10067
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:50
Exibições: 10190
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:23
Exibições: 9669
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:44
Exibições: 10078
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:15
Exibições: 10186
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:04:51
Exibições: 11737
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
Publicidade

Mulher com suspeita de dengue hemorrágica morre em Arcos

PDFImprimirE-mail

Uma mulher de 34 anos morreu nesta terça-feira (22) em Arcos, com suspeita de dengue hemorrágica. A causa ainda não foi confirmada e, segundo a Secretaria de Saúde do município, um exame sorológico apontará a causa do falecimento, já que a mulher apresentava outras complicações na saúde.

O resultado do exame deve sair em dez dias, de acordo com informações repassadas pela secretária de Saúde, Magda Giacomin.

O município com aproximadamente 40 mil habitantes enfrenta epidemia de dengue pela segunda vez em cinco anos. A primeira ocorreu em 2009, segundo a Secretaria de Saúde. O último Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) realizado no município em março apontou 4,2% de infestação do mosquito, o que é considerado alto risco. O aceitável pelo Ministério da Saúde é 1%.

A Secretaria de Estado de Saúde (SES) informou que no município já foram confirmados 539 casos de dengue. No estado foram confirmados 16.138 casos. A SES informou, também, que já foram contabilizados 12 mortes por dengue em Minas Gerais, sendo que a primeira ocorreu em Iguatama, no Centro-Oeste do estado. A vítima foi um idoso de 64 anos.

De acordo com o responsável pelo controle vetorial, Geraldo Aparecido de Moura, Arcos recebeu em março deste ano a ação "Força Tarefa". "Além disso, fazemos todas as ações preconizadas pelo Ministério da Saúde. O que percebemos é que há um número alto de focos dentro das residências, mais de 90% dos focos. E a questão é qu os maiores combatentes dessa doença são os moradores, mas isso envolve uma mudança de hábito da população", ressaltou.

Fonte: G1