Publicidade
Você está aqui: Inicial

Vídeos

0:04:17
Exibições: 10245
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:19
Exibições: 9851
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:50
Exibições: 9939
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:23
Exibições: 9483
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:44
Exibições: 9884
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:03:15
Exibições: 9956
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
0:04:51
Exibições: 11546
Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5Rated 0 of 5
Publicidade

Lago de Furnas atinge menor nível nos últimos dois anos no Centro-Oeste

PDFImprimirE-mail

O Lago de Furnas, um dos pontos turísticos mais procurados no Centro-Oeste do estado, atingiu o menor nível nos últimos dois anos, segundo a Associação dos Municípios do Lago de Furnas (Alago). Nas águas que passam por Formiga, Pimenta e Capitólio, o índice baixou

13 metros em relação ao nível do mar.

De acordo com o secretário executivo da Alago, Fausto Costa, a região Centro-Oeste tem a vantagem de ter uma topografia mais acidentada e, por isso, a baixa vazão não destaca tanto no cenário, já que a água não se distancia em proporção considerável da margem, como ocorre no Sul de Minas, por exemplo. Entretanto, ele avalia que os prejuízos são os mesmos.

" Não há como falar de seca sem falar em prejuízos. A começar pela morte de peixes, a economia da região que fica comprometida, afetando setores como a piscicultura e o turismo da região que são muito fortes. A seca no Lago de Furnas reflete diretamente na questão social com crises diversas no setor econômico, ambiental e social".

O Lago de Furnas em proporções normais atinge 768 metros acima do nível do nível do mar e atualmente está com 13 metros abaixo deste nível que é a cota máxima, o que significa que atingiu 755 metros. De acordo com Fausto, se baixar mais cinco metros, o lago deixa de gerar energia.

“Precisamos que chova na cabeceira dos rios que alimentam o Lago de Furnas. Só assim será possível restabelecer o volume de água. Para elevar o nível do lago , que é o maior potencial de turismo aquático da América Latina, tem que haver chuvas continuadas e não apenas torrenciais”, disse.

Fonte: G1